Enf. Disciplina e Profissão

Enf. Disciplina e Profissão

PROJETOS DA UCP EM CURSO:

DESCRIÇÃO DO PROJETO

QUESTÃO ORIENTADORA & OBJETIVOS

Questão orientadora do nosso estudo:

> Será que com recurso à formação em serviço, utilizando estratégias pedagógicas diversificadas, se pode melhorar a intervenção na família dos doentes internados?

> Que estratégias de ensino aprendizagem podem ser utilizadas para melhorar a intervenção familiar em enfermagem em contexto de formação em serviço?

Objetivos:

> Identificar a conceção de cuidados centrados na família dos enfermeiros de unidades de internamento;

> Descrever o processo de cuidados centrados na família dos enfermeiros de unidades de internamento;

> Analisar as atitudes face aos cuidados centrados na família dos enfermeiros de unidades de internamento;

> Relacionar as variáveis que influenciam favoravelmente os enfermeiros de unidades de internamento com a prática de cuidados centrados na família;

> Relacionar os contextos das unidades de internamento com a prática de cuidados centrados na família;

> Identificar as dificuldades percecionadas para uma intervenção de enfermagem centrada na família nas unidades de internamento;

> Identificar indicadores que contribuam para a monitorização dos cuidados centrados nas famílias em unidades de internamento;

> Relacionar os fatores dificultadores e os fatores facilitadores com o processo de cuidados à família nas unidades de internamento;

> Relacionar a capacidade dos enfermeiros de gerirem conflitos antes e depois do processo de sensibilização para a prática de parceria de cuidados com a família;

> Relacionar o stress dos enfermeiros antes e depois de um processo de sensibilização para a prática de parceria de cuidados com a família;

> Conceber modelos de intervenção nas práticas de cuidados centrados na família em unidades de internamento;

> Identificar as necessidades de aprendizagem dos formandos;

> Identificar estratégias de ensino aprendizagem promotoras do desenvolvimento de competências para intervenção familiar;

> Identificar as estratégias de ensino que os formandos percecionam como potencializadoras de maior aprendizagem;

> Relacionar as estratégias de ensino com a satisfação dos enfermeiros.

O projeto visa alargar o conhecimento da interação dos enfermeiros com as famílias e criar condições para a recontextualização dos cuidados visando a integração do contexto que alicerça o indivíduo, pois "A pessoa doente e a sua família precisam de ser acolhidos e compreendidos a partir da sua história pessoal e social, seus valores e seus sentimentos. Só assim será possível tornar a permanência no hospital a menos traumática possível, só assim aprofundamos este direito de cidadania” Lei 106/2009. Pretendemos ainda, utilizar diferentes estratégias no desenvolvimento da formação em serviço potenciando a aprendizagem. Acreditamos que novas formas de ensino mais adequadas às solicitações tecnológicas que hoje apelam e desenvolvem apetências e criatividade no acesso à informação junto com novas formas de ensino presencial serão um contributo deveras importante na difusão dos saberes no âmbito da família. Ambas as estratégias são necessárias, têm vantagens e desvantagens e, quando combinados, oferecem-nos melhores resultados. A questão hoje é como modificar o processo de ensino-aprendizagem convencional e como introduzir formas de ensino-aprendizagem inovadoras, tanto presenciais como não presenciais, sendo também este um dos nossos desafios nesta nova fase do projeto.

Face ao internamento de um membro, as famílias desenvolvem e procuram respostas diferenciadas, já que o afastamento de um elemento da família, por motivos de doença altera a sua dinâmica, com a incerteza, sofrimento, dor e por vezes com a aproximação da morte de um dos seus membros, num espaço físico e social diferente que são os serviços de internamento de um hospital.
Por esse motivo consideramos de suma importância melhorar o conhecimento sobre a assistência às famílias em contexto hospitalar, desenvolvendo uma cultura de aproximação às famílias pois estas são uma condicionante para a melhoria na assistência ao individuo internado e consequentemente aos cuidados prestados, potenciando uma relação que pretende ser colaborativa entre enfermeiro/cliente/família (Wright & Leahey, 2009).

Consideramos a atitude que os enfermeiros adotam em relação à família um elemento crucial no processo de cuidar. Na prática, a ajuda que está disponível para as famílias nem sempre é adequada para satisfazer as suas necessidades (Hopia, 2006; Lee, 2007).

Os resultados dos estudos desenvolvidos (Astedt-Kurki, Paavilainen, Tammentie, & Paunonen-Ilmonen, 2001a; Jansson, Petersson, & Uden, 2001; Hertzberg, Ekman, & Axelsson, 2003; Fulbrook & Albarrán, 2005), indicam que, embora os enfermeiros afirmem que as famílias são importantes, esta crença não é sempre apoiada pelas ações que estes desenvolvem.

A qualidade da interação com a família é influenciada pelas atitudes dos enfermeiros na inclusão da família no cuidado de enfermagem, sendo que nestes últimos anos, esta interação, tem sido alvo de investigações em diferentes contextos e com metodologias diversas.

Martins (2004) refere "Os doentes e familiares identificam um papel específico para os enfermeiros, mas também idealizam a participação dos seus familiares em atividades relacionadas com o auto cuidado universal”, salienta ainda, que o processo de envolvimento da família nos cuidados deve ser bem acompanhado pelo enfermeiro, não devendo este sentir-se ameaçado pela presença do familiar, mas também não devendo ver no familiar o substituto para algumas das suas funções. A relação de parceria deve ser negociada e clarificada entre as partes envolvidas, só assim poderá ser uma parceria eficaz e positiva.

Sendo necessário por isso "a colaboração entre os profissionais e a família, pois esta permite a partilha de conhecimentos e a reciprocidade entre ambos, na compreensão conjunta da experiência da doença” (Martins, 2004,p.93).

METODOLOGIA

Este estudo desenvolve conhecimento específico de enfermagem e famílias em contextos de serviço de internamento tendo por finalidade contribuir para melhorar a intervenção de enfermagem nas famílias em situação de crises acidentais. O estudo é composto por três momentos distintos: um primeiro momento de avaliação junto dos enfermeiros, um momento de formação aos enfermeiros e um último momento de avaliação junto dos enfermeiros dos serviços do projeto, no sentido de aprofundar o conhecimento serão conciliados processos quantitativos de avaliação e análises qualitativas juntos dos enfermeiros em processos formativos e dos doentes e familiares dos respetivos serviços.

As fases de diagnóstico e avaliação do projeto, serão desenvolvidas em articulação com o projeto " Contributos das tecnologias de informação na gestão em enfermagem.

EQUIPA

Investigador principal:

- Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins (mmartins@esenf.pt)

Investigadores:

- Henriqueta Ilda Verganista Martins Fernandes

- José Carlos Marques De Carvalho

- Maria Júlia Costa Marques Martinho

« Voltar

Pesquisa
Quem é quem?
Use esta funcionalidade para encontrar informação de contacto sobre Docentes, Funcionários e Alunos.
Sondagem